Definir modelo de custos

Não vamos discorrer neste capítulo do guia de servitização os detalhes sobre contabilidade ou controle financeiro de uma organização. Vamos apresentar somente noções básicas para uma primeira definição do modelo de custos. Para finalizar um estudo da viabilidade financeira você precisa de mais informações detalhadas sobre as referências para custo e trabalhar conjuntamente com pessoas com conhecimentos de contabilidade.

 

Quando deve ser criado o modelo de custos?

O melhor momento para se prever quais os custos que incorrem no novo negócio é depois da definição de todos os elementos do modelo de negócio. Eles fornecem referência para o cálculo.

Estaremos definindo não somente os custos no modelo de custos, mas possíveis investimentos e despesas, pois são essas informações que são utilizadas na análise da viabilidade econômico-financeira. Se não for feito agora, podem ser levantadas ou complementadas na depois.

DEFINIÇÕES BÁSICAS

  • Gastos: são as saídas de valores monetários da sua organização. Eles podem ser divididos em custos, despesas e investimentos.
  • Custos: são os gastos relacionados com a produção dos bens físicos que constituem o PSS e com a prestação de serviços. Por exemplo, matéria prima, salário do pessoal da produção ou prestação de serviços, gastos com máquinas e equipamentos (gastos como amortização, mas não o valor pago pelo equipamento, que neste caso é um investimento).
  • Despesas: todos os outros gastos que não estão diretamente relacionados com a produção ou prestação de serviços. Servem para manter a organização. Produzindo ou não você terá essas despesas na empresa. Por exemplo, aluguel da área administrativa, material de escritório, salário do pessoal de refeição, diretoria, etc.
  • Investimentos: gastos realizados para aumentar a receita ou melhorar a organização.

Parte das despesas pode ser considera custos, se tivermos a possibilidade de calcular com essa parte está relacionada com a produção ou prestação de serviços. Por exemplo, gastos com energia elétrica do equipamento produtivo são custos. Os com luz dos escritórios são despesas. Mas para isso, devemos ter a possibilidade de calcular quanto da conta de luz foi devido à produção. Outro tempo é aluguel. A parte relacionada com a área de produção é custo. O resto são despesas. Se você paga um aluguel único, poderia calcular com base na área das instalações. A porcentagem da área de produção poderia ser utilizada para se calcular a porcentagem correspondente para se calcular o custo devido ao aluguel.

Apesar de estarmos utilizando a denominação tradicional “modelo de custos”, não estamos interessados em apuração de resultados, mas sim na visão gerencial para analisar o desenvolvimento. Então o que importa são todas as saídas futuras (previsões) do caixa para afeito de avaliação. Isso significa que estamos definindo os gastos.

Os custos podem ter dois tipos de classificação: custos fixos / variáveis e custos diretos / indiretos.

  • Custos fixos estão relacionados com a produção ou prestação de serviços, mas não variam de acordo com o volume de produção, vendas ou serviço. O pagamento do serviço de limpeza ou das refeições são exemplos de custos fixos. Se você não produzir eles irão incorrer. Muitas pessoas confundem este tipo de custos com despesas. O diferencial é saber se ele está relacionado com a produção ou prestação de serviços. Se estiver é um custo.
  • Custos variáveis aumentam ou diminuem conforme o volume de produção ou prestação de serviços. Matéria prima, mão de obra direta e insumos são exemplos de fontes de custos variáveis.
  • Custos diretos são gastos diretamente relacionados com a produção ou prestação de serviços. Por exemplo, salário do pessoal envolvido na produção ou prestação de serviços.
  • Custos indiretos não estão diretamente relacionados com a produção ou prestação de serviços. Por exemplo, gasto com água ou mesmo energia elétrica. São custos rateados por todos os produtos e serviços.

Na verdade, custo só incorre quando produzimos ou prestamos serviços. Isso quer dizer que todas diferenciações colocadas são importantes depois que a produção e a venda ocorreram para apuração dos custos e por consequência apuração dos resultados. Essa diferenciação é importante também para o pagamento de impostos. Mas no modelo de cursos do modelo de negócio estamos realizando uma previsão dos gastos para depois contrapor à previsão de receitas e realizar a análise da viabilidade econômico-financeira. Dessa forma consideramos os gastos (custos, despesas e investimentos) como saídas do nosso fluxo de caixa.

O modelo de custos ainda apresenta informações superficiais durante a definição do modelo de negócio, que serão detalhadas na definição da arquitetura de processos, produtos e infraestrutura.

ELEMENTOS DO MODELO DE NEGÓCIO COMO REFERÊNCIAS PARA IDENTIFICAÇÃO E CÁLCULO DOS CUSTOS E DESPESAS

Os custos no PSS dependem da:

  • proposição de valor,
  • processos,
  • recursos,
  • parceiros e
  • pessoas.

Pode existir uma grande combinação entre eles. A definição dos custos depende do nível de detalhamento de cada um dos elementos do modelo de negócio que temos e também de padrões para cálculo de custo utilizados por nossa organização. Pode ser que, em um primeiro momento, só tenhamos condições de identificar os custos, mas não de calcular, o que pode ser realizado em outras iterações e nas atividades subsequentes da metodologia de servitização. Veja que alguns exemplos de custos e despesas apresentados a seguir

Da proposição de valor poderíamos, por exemplo, retirar custos de matéria prima.

Os processos definem o conjunto de atividades a serem realizadas. Existem processos relacionados com a produção, com a prestação de serviços e com o funcionamento do negócio (processos de apoio e gerenciais), independente da venda de PSS.

Dos processos relacionados com a produção ou prestação de serviços podemos retirar padrões para definir custos variáveis e diretos de mão de obra.

Dos processos de apoio ou gerenciais poderíamos retirar custos indiretos.

Dos recursos que irão constituir o produto ou a prestação de serviços poderíamos retirar custos diretos, casos esses recursos sejam repassados para o cliente. No caso de PSS orientado ao uso ou aos resultados, eles tornam-se ativos. Eles serão tratados como investimentos. Os custos de capital por manter esses ativos (normalmente custos de amortização) serão os custos variáveis diretos.

Os parceiros prestam serviços para a nossa cadeia de valor. O que pagamos para os parceiros pode ser considerado custos diretos também dependendo de como ele cobra de nossa organização. Se ele prestar um serviço de manutenção, por exemplo, consideramos esse custo como variável e indireto. Se, no entanto, tivermos parceiros de risco que também oferecem parte do PSS como PSS, devemos considerar esse custo como variável e direto.

As pessoas da nossa organização podem ser consideradas como custo direto ou indireto, dependendo do papel que elas realizam nos processos de negócio. A mão de obra direta na produção e na prestação de serviços é considerada direta. Podem ser tratadas como custo fixo se não houver variação com o volume. Serão tratadas como indireta as pessoas que estarão trabalhando no serviço de atendimento ao cliente, que também poderá ser realizado por um dos parceiros, dependendo de como desenhamos o modelo de negócio.

A visão de custos que se obtém do pôster é muito superficial. Só serve para indicar quais os custos mais significativos em um primeiro momento.

Apesar de você conseguir “calcular” o seu custo, lembre-se que ele é uma variável que você pode estar ajustando para obter a margem desejada, pois o preço é determinado pelo mercado (veja o quadro sobre custo alvo e os outros fatores listados na atividade de definição do modelo de receitas). Você pode então trabalhar com o conceito de custo alvo[i]. Se você trabalhar com custo alvo é importante calcular o custo para efeito de comparação.

[i] Leia mais sobre custo-alvo, também conhecido como custo-meta na wikipedia https://pt.wikipedia.org/wiki/Custo-meta. Se desejar se aprofundar mais neste assunto, leia sobre custo alvo na tese de doutorado do Osvaldo Magno Freixo https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/3342

ENTREGAS

Lembre-se que em uma primeira iteração você pode preencher o pôster e na segunda complementar com as listas e/ou a planilha de análise de viabilidade.

Pôster do modelo de negócios (atualizar)

Insira post its no pôster (espaço para custos) com títulos dos principais elementos de custos.

Lista de elementos de custo

Essa lista é uma tabela com os títulos dos elementos de custo em uma coluna e atributos adicionais em outras colunas, que servem para colocarmos mais informações dos que as que caberiam em post its. A tabela contém as seguintes colunas:

  • Identificadores (ID do elemento de custo);
  • Título do elemento de custo;
  • Atributos adicionais (referência do elemento do modelo de negócio, que já deve estar refletida no título do elemento de custo e a base de cálculo).

Elemento de custo é um termo que descreve qual elemento do modelo de negócio que serve de referência para determinação dos custos significativos

Planilha de viabilidade econômica (opcional)

Nessa metodologia temos um conjunto de atividades para análise de viabilidade que utiliza uma planilha para auxiliar nos cálculos dos indicadores de viabilidade. Quando desenvolvemos o modelo de negócio não precisamos descer ao nível de detalhes necessário para a análise de viabilidade. No entanto, se você desejar inserir dados quantitativos, você pode utilizar a planilha. As instruções de como utilizá-la estão no grupo de atividades de análise de viabilidade.

MÉTODOS

Reveja os 6 métodos genéricos para se definir elementos do modelo. Utilize a combinação que você considerar mais apropriada, com base na sua experiência, em especialistas ou nos materiais de apoio para essa atividade.

Use os elementos do modelo de negócio como referência.

Material de apoio

MAP 04.01 O mesmo pôster das atividades anteriores.

MAP 04.17 Template da lista de elementos de custo: neste formulário você pode preencher os elementos de custos e informações adicionais.

MAP 05.01 Planilha de viabilidade econômica

DICAS

  • Coloque no pôster somente os custos mais relevantes
  • Se puder adiantar algum dado a ser utilizado na análise de viabilidade aproveite a chance
  • Se for investir muito tempo, termine o modelo e parta para as próximas atividades da metodologia

O modelo de custos e o de receitas já apresentados são as entradas que formarão o fluxo de caixa do negócio.  Esse fluxo é a base da análise da viabilidade econômico-financeira. Durante as simulações realizadas na análise de viabilidade você poderá ajustar seu modelo de custos.