Gerar ideias e conceitos de alto nível

Gerar ideias é o segundo momento de divergência da proposição de valor. É neste momento que os problemas e necessidades começam a se tornar soluções.

As ideias geradas pelo seu time neste momento podem ser ideias pontuais, apenas como um princípio de solução não integrado, ou conceitos de alto nível, ou seja, uma perspectiva em alto nível da visão global da solução.

O seu time pode realizar esta atividade por si só ou pode envolver outros stakeholders no processo criativo. Envolver stakeholders auxilia a reduzir o risco de desenvolver soluções inadequadas às suas necessidades.

ENTREGAS

Quadro de ideias

O quadro de ideias contém o conjunto de ideais gerados pelo time e stakeholders (quando envolvidos no processo).

Neste momento, revise os conhecimentos obtidos até então, preferencialmente deixando à mostra as entregas relacionadas à identificação e entendimento dos stakeholders e estimulando discussões entre os membros do time.

Para dar início à geração de ideias, recomendamos que um facilitador seja indicado para guiar o processo.

Gere ideias para solucionar os problemas, atender às necessidades e desejos, fortalecer insights, e aproveitar oportunidades.

Você pode realizar o processo de geração de ideias: 

  • por meio da proposição de várias ideias (brainstorming);
  • com base em analogias;
  • com base em casos anteriores de servitização;
  • com base em princípios de solução;
  • consultando especialistas;
  • com base na simulação de situações (bodystorming).

Independentemente da estrutura adotada, o facilitador pode subdividir o processo em sessões de criação de 5-10 minutos, focando em cada momento em uma determinada necessidade, desejo, problema, insight ou oportunidade. Preferencialmente, siga a ordem priorizada anteriormente na entrega “Priorização de necessidades, desejos, problemas, insights e oportunidades”.

O facilitador também deve incentivar o time a construir em cima das ideias já geradas. Por exemplo, se um membro do time verifica que uma ideia gerada para atender uma determinada necessidade pode ser aprimorada para resolver um determinado problema, ele deve indicar essa possibilidade. 

Anote as ideias em post-its. Cada post-it deve conter uma ideia descrita por um título curto que represente seu conteúdo de forma clara e/ou uma ilustração que represente a ideia. Garanta que todos entendam com clareza a ideia que está sendo proposta.

A maior dificuldade neste momento é pensar nos produtos e serviços de forma integrada. Utilizar representações apropriadas da solução completa é o segredo para visualizar como as ideias melhor classificadas podem ser integradas e compor uma solução completa.

A cada ideia anotada, o facilitador deve ler a ideia em voz alta para permitir que os outros membros do time construam em cima da ideia e posicionar a ideia no quadro de ideias.

Ainda não se limite a ideias relacionadas a servitização. No momento de geração de ideias, não deve haver julgamentos nem limitações. Qualquer ideia é bem-vinda.

Após a geração de ideias, revise todas as ideias geradas para refiná-las e agrupar ideias que potencialmente podem ser agrupadas. Além disso, no processo de revisar ideias, pode ser que novas ideias surjam. Adicione essas novas ideias ao quadro de ideias.

Priorização de ideias

Centenas de ideias podem ser geradas na criação do quadro de ideias. Agora, elas precisam ser integradas (se possível) e selecionadas.

Diversas empresas trabalham com uma abordagem chamada “set-based concurrent engineering”. Trata-se de levar um grupo de conceitos em frente e selecionar progressivamente os melhores durante o processo de desenvolvimento, selecionando o final apenas após haver evidências suficientes para demonstrar a superioridade deste conceito. Esta metodologia recomenda que o time de servitização trabalhe com o maior número de conceitos em paralelo possível, seguindo a proposta do “set-based concurrent engineering”.

Lembre-se de que você se encontra em uma jornada para servitizar o seu modelo de negócio. A solução final esperada é um sistema integrado de produtos e serviços. No entanto, você perceberá que diversas ideias são propostas de serviços por si só, produtos por si só, melhorias específicas em soluções já existentes, ou ideias relacionadas ao modelo de negócio. A sua solução final não sairá de apenas um post-it. Caso contrário, muitas ideias que podem compor sua solução seriam perdidas.

O primeiro passo é montar uma lista com as ideias descritas de forma concisa e concreta – talvez acrescentando uma breve descrição ao lado. Você pode fazer essa lista em uma planilha, por exemplo. A seguir, defina os critérios para avaliação das ideias. Você pode incluir como critérios a capacidade da ideia em resolver problemas, capacidade de atender necessidades e desejos, capacidade de aproveitar oportunidades, alinhamento com os objetivos estratégicos e com a servitização, capacidade tecnológica da empresa em desenvolver a solução, entre outros critérios compatíveis com o contexto da sua empresa.Assim, selecione as ideias que serão parte da composição da sua solução final.

Avalie, então, as ideias conforme os critérios definidos. Você pode pedir para que cada membro dê notas dentro de uma escala para cada critério de cada ideia, pedir que os membros excluam ideias desalinhadas com os critérios pré-estabelecidos, ou então pedir que os stakeholders avaliem as ideias conforme os critérios.

A entrega final deve ser uma lista priorizada das entregas conforme os critérios pré-estabelecidos, estabelecendo as ideias que o time considera mais promissoras e menos promissoras.

Lista de conceitos de alto nível

As ideias priorizadas ainda não podem ser agrupadas indiscriminadamente. Precisamos entender como as principais ideias podem estar associadas.

Este é o momento em que o time deve começar a integrar as ideias no formato de sistemas integrados de produtos e serviços.

Você pode agrupar ideias compatíveis para gerar conceitos. Atente-se para não agrupar ideias diferentes que tratam de um mesmo problema ou atendem uma mesma necessidade, a não ser que o agrupamento dessas ideias agregue ainda mais valor.

Você pode aproveitar esse momento para concretizar as ideias um pouco mais. No entanto, ainda não é o momento de detalhar todas as características das ideias.

No momento de integrar as ideias, podem aparecer contradições. Por exemplo, na criação do conceito de um serviço de manutenção, pode-se criar a ideia de que o serviço ofereça garantia de atendimento dentro de 15 minutos, mas outra ideia diga que o serviço deveria cobrir regiões de difícil acesso. Nesses casos, pode-se aproveitar da contradição para gerar inovação ou deve-se escolher a ideia melhor avaliada conforme os conceitos.

Você também pode criar conceitos “base” e derivar variações de conceito a serem analisadas posteriormente pelos stakeholders. Por exemplo, suponha que estejamos tentando servitizar uma máquina de diagnóstico por imagem. Suponha que o conceito base é oferecer a máquina sem custo inicial, cobrando um valor recorrente, e agregar serviços como manutenção, laudo remoto, treinamentos, entre outros. No entanto, duas ideias ficaram bem ranqueadas: cobrar um valor fixo por mês ou cobrar um valor variável dependendo da quantidade de imagens que os clientes realizarem. Neste momento, ainda não é possível saber qual ideia é melhor. Assim, podemos manter o conceito “base” e testar durante a atividade qual das duas ideias os stakeholders impactados preferem.

Outra possibilidade muito provável é que um número muito grande de conceitos seja gerado. Neste caso, selecione aqueles que considerar mais adequados, limitando a um número que seja compatível com a capacidade de trabalho do seu time. Lembre-se que os detalhes e as ideias que compõem o conceito serão testadas e verificadas posteriormente. Assim, o conceito ainda será alterado e adaptado, buscando prover máximo valor para os stakeholders e gerar máximo retorno para a empresa provedora e seus parceiros.

Após determinar os conceitos, lembre-se de avaliar quais benefícios cada conceito gera para os stakeholders. Você pode utilizar a lista de valores elementares contida no template “Anel de Valor” (MAP03.05). Além disso, lembre-se de verificar quais necessidades e desejos seus conceitos atendem, quais problemas eles resolvem, e quais oportunidades e insights eles aproveitam. Nessa revisão, seus conceitos podem sofrer modificações novamente. Isso é normal, pois o processo é altamente iterativo. Apenas faça as alterações que julgar necessárias em todas as entregas que se aplicarem a essas alterações e prossiga o trabalho.

MÉTODOS

Como reforçado anteriormente, há diversos tipos de técnicas para estimular a geração de ideias. Alguns métodos que recomendamos são o Brainstorming[i] e o Bodystorming[ii].

Por se tratar de um contexto onde a solução final será um sistema composto por produtos e serviços, os métodos que costumam ser utilizados para seleção de ideias que comporão os conceitos nas abordagens de design não geram bons resultados neste caso, pois são um pouco simplistas. Assim, recomendamos que as ideias sejam avaliadas por ponderação de notas baseadas em critérios pré-estabelecidos. Dessa forma, as ideias bem classificadas que forem compatíveis entre si podem ser agrupadas para formar conceitos base.

MATERIAL DE APOIO

MAP03.05. Template para “O Anel de Valor”: Integra os conceitos obtidos na atividade “Gerar ideias e conceitos de alto nível” às necessidades, desejos, problemas, insights e oportunidades para estruturar a proposição de valor. Os conceitos base podem ser desenhados e/ou descritos de forma sucinta no lado direito do template. Lembre-se que o objetivo não é só propor os conceitos, mas também descrever os benefícios gerados aos stakeholders. Você pode utilizar os valores elementares descritos no mesmo template para auxiliar nessa descrição.

DICAS

  • Evite conversas paralelas;
  • Busque quantidade;
  • Utilize apenas frases curtas para descrever as ideias;
  • Construa na ideia dos outros;
  • Encoraje ideias disruptivas;
  • Seja visual;
  • Mantenha foco no tópico;
  • Não julgue as ideias durante a criação;
  • Foque em valores humanos;
  • Evite o sentimento de posse e apego pelas ideias;
  • Não selecione apenas ideias de fácil implantação ou compatíveis com ideias pré-concebidas;
  • Se estiver em dúvida entre múltiplas ideias/conceitos, prototipe e teste.

[i] Brainstorming é uma técnica de geração de ideias em grupo, onde os participantes geram ideias e criam sobre as ideias dos outros. Trata-se de um momento onde não deve haver julgamento das ideias e onde a geração de ideias é maximizada. Para realizar o brainstorming, recomendamos a combinação dos métodos “Brainstorming”, “Facilitate a Brainstorming”, e “Impose constraints” propostos pelo Bootcamp Bootleg. Enquanto o primeiro explica como deve ser realizado o Brainstorming, os dois últimos descrevem boas práticas para facilitar o brainstorming.

[ii] O Bodystorming é uma técnica de ideação para quando faltar inspiração. Se você gerou conceitos muito “crus” que ainda precisam ser complementados, você pode utilizar o Bodystorming para continuar a ideação. Essa técnica consiste em sentir-se na experiência dos conceitos em construção e na situação dos seus stakeholders para estimular novas ideias. Recomendamos o método “Bodystorming” proposto pelo Bootcamp Bootleg.